Genocídio em Gaza – O Começo

A região Palestina existe desde sempre. Ali estão cidades onde eventos históricos e teológicos muito importantes tiveram lugar. Muitos deles na cidade mais famosa: Jerusalém que foi e continua sendo epicentro das fricções entre três das mais importantes religiões da humanidade, Judaísmo, Islamismo e Cristianismo.

O Cristianismo é uma derivação do Judaísmo. O Deus uno que se conhece bem no mundo cristão é o mesmo venerado pelos Judeus. Cristo, palestino, profeta e milagreiro convenceu parte dos judeus que ele era o filho encarnado de Deus. E assim foi criada uma religião diferente. Os judeus seguiram seu caminho e continuam esperando a chegada do escolhido, do iluminado, do Filho de Deus.

Cristo, Filho de Deus ou não, nasceu, viveu e foi brutalmente assassinado… como Palestino.

Ser Judeu não designa nacionalidade, nem pertencimento a uma terra ou país. Cristão, budista, do candomblé, xintoísta ou muçulmano, também não. A religião não é Pátria. É fé.

Então a terra Palestina não pertence a nenhuma religião, mas ao seu povo e a todas as religiões que esse povo decidir ter. São as pessoas que permaneceram na terra, lutaram, mataram e morreram por ela e chegaram aos dias modernos como sendo os que tem direito a reclamá-la como sua casa, seu lar, sua pátria.

Pelos romanos, otomanos e depois pelos Ingleses, a Palestina foi sempre uma colonia até 1988 e sua capital sempre foi Jerusalém.

Após a Primeira Guerra Mundial a migração de Judeus europeus para a Palestina foi ganhando força com o apoio da Inglaterra, e logo depois da Segunda Guerra Mundial, em 1947 a Inglaterra decidiu oficializar a criação de um estado Judeu em terras Palestinas. Com a conivência da ONU foi criado o estado de Israel em 1948.

Com apoio bélico e logístico os Judeus em Israel começaram a invasão, tomando terras, casas e vidas em nome de sua religião. Nasce o Sionismo Moderno. Os “Filhos da Luz” se deram ao direito de exterminar a tudo e a todos que se colocassem em seu caminho, com patrocínio Inglês primeiro e dos Estados Unidos em seguida.

Em 1948 acontece a Al-Nakba, o primeiro grande massacre perpetrado por Israel deslocando milhares e milhares de Palestinos de suas casas e terras. O que Israel chamou de Independência foi apenas um ato de guerra, uma invasão.

Os Estados Unidos sempre foram os maiores financiadores do estado de Israel enviando bilhões de dólares todos os anos para fortalecer a sua sociedade e seu exército, o que lhes permite invadir terras e matar Palestinos impunemente desde então. É assim que a mídia chama: assentamentos judeus.

Mas por quê? Por que os Estados Unidos bancam Israel? Em Junho de 1986 o atual Presidente Biden fez um discurso onde ele explica que Israel é o melhor investimento já feito para proteger os interesses dos Estados Unidos na região arábica. E que interesses são esses? Petróleo. Por quê? Porque é o lastro para o dólar ser a moeda mais poderosa e usada no planeta. Resumindo: poder militar e poder econômico.

Assista aqui as falas de Joe Biden: https://www.youtube.com/watch?v=86Nrv5izaTs

Matar Palestinos garante esse poder. É a religião do capital. É o capitalismo.

Vídeo da Entrevista: https://www.youtube.com/watch?v=Xg6obZzlN7g

Veja também o Capítulo 2 – Genocídio em Gaza – A Terra


Os textos dos colunistas e blogueiros não refletem, necessariamente, a opinião do Sistema Diário de Comunicação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Drag To Verify