Amanda

Realmente eu escrevo pouco em meu site. O principal motivo é o mal de todos os humanos vivos neste início de século: a falta de tempo. Há canções e poemas avisando para que se trabalhe menos, se durma menos, se preocupe menos e conviva mais com seus entes queridos, veja mais o nascer e o por do sol. Mas como um grande rebanho sendo tangido, seguimos o curso imposto e nos dedicamos muito mais aos outros afazeres, ao ter, ao comprar do que aquilo versado nas músicas, escrito pelos que devaneiam e até mesmo interpretado em cada novela.

Eu sou um maníaco por trabalho. Um escravo dos meus amplos limites e do grau de dedicação que eles me impõem. Mas acho que isso está prestes a mudar.

O motivo deste devaneio tem nome. Chama-se Amanda. Permitam-me alertá-los antes que imaginem o fim desta carta com algo recheado de traição, corações partidos e uma boa dose de tragédia humana. Não se trata de nada triste, ao contrário, o amor se renova e o espírito engrandece sempre que se encontra um novo amor. Especialmente quando esse amor é somado com o que já existe e como resultado disso, todos os amores juntos se fazem mais fortes. Se fazem um só.

Amanda é tão bela que consegue, sem ressalva, abalar minha existência e me faz sentir que completo mais um ciclo nesta fantástica, porém finita, jornada que é a vida.

Longe de ser um sentimento pueril ou egoísta, meu amor por Amanda consegue romper as correntes que me mantém atado a este estilo de vida insano e gerar um sopro mágico, divino, tal qual liberta-se Atlas do seu dever eterno de sustentar o céu.

Mas todo esse sentimento só é capaz de vir a tona graças a um amor anterior. Roberta, minha fiel companheira, amiga e senhora também se soma para possibilitar que assim seja. Juntos nós dois, em fevereiro, deixaremos de ser dois que formam um, para sermos três que formam um.

Amanda iniciará sua própria jornada a partir de fevereiro. Mas já enche de rosas, sol, orvalho, cachoeiras e todos os demais componentes do mais lindo cenário, a minha vida, através de uma simples e pouco nítida imagem de ultrassonografia e das belas curvas adquiridas por Roberta.

Assim continua a metamorfose da vida, onde Amanda cresce e aparece para o mundo, enquanto eu mesmo busco o equilíbrio entre o devaneio de ser Pai e a realidade, que como uma âncora, que faz questão de me manter preso neste plano.

A todos os pais e mães, minhas mais honestas manifestações de alegria e respeito, sempre quando não permitam que esse sentimento se esvaneça.

Os primeiros passos já foram dados, e que você minha linda Amanda, chegue logo para me engrandecer ainda mais com sua presença.

Te amo.

Papai