Obrigado Thiago e Hélio: FLISOL sem Ubuntu e OSIsta assumido

Nesse caminho de militância há dias excelentes e há dias ainda melhores. É difícil elaborar sobre os critérios que definem exatamente o que separa um do outro. “Pero que los hay, los hay.”

O dia 23 de março de 2015 é um novo marco para o Movimento Software Livre no Brasil: o Coordenador Geral do FLISOL Brasil publicou uma recomendação para que não se instale Ubuntu. Obrigado Thiago pelo sopro de esperança. Sei bem a dose de coragem e determinação para colocar “a cara à tapa” dessa forma. A responsabilidade cairá integralmente sobre você. Mas sem a participação ativa de outros atores não se teria chegado tão longe. Então vamos dar nomes aos GNU’s? 🙂

Obrigado Stallman, Oliva, Paulo Santana AKA PH, Emmanuel Negromonte e Aurélio Heckert. Sei que ao listar seus nomes aqui os transformo imediatamente em alvo, mas sei que vocês são a elite da resistência e por isso mesmo tem o couro grosso para aguentar as lapadas que virão. Há ainda um pequeno rebanho que atua de forma coordenada e incansável em prol do Software Livre e que eu não os listarei aqui, exatamente para não entregar a lista de “agentes infiltrados” aos opositores.

Essa “manada” é a contra-contrarrevolução. Se a OSI foi a contrarrevolução deliberadamente organizada e levada a cabo para enfraquecer o Movimento Software Livre, nós somos a contra-contrarrevolução!

Um pequeno alinhamento no curso e “la nave va”! Ganha-se algum fôlego e se geram grandes expectativas. Será que outros atores e grupos responderão a altura? Será que o SOLISC, SOLIS, COLIVRE, Tchê Linux, Viva o Linux e tantos outros grupos espontâneos que vem de longa data, que foram criados pelos valores do Software Livre vão aderir e demonstrar seu apoio?

Será que o PSL-BR e seus grupos estaduais demonstrarão seu apoio ao Thiago e ao Software Livre?
Será que a ASL e o FISL poderão, finalmente encontrar a inspiração necessária para demonstrar, também, seu apoio? E porque não ir além, e também não usar mais Ubuntu?

Alguns grupos e ativistas já deixaram claro sua oposição. O mais emblemático é o Hélio Loureiro, que no FISL do ano passado já dava sinais claros de que sua opção ideológica era irreversível: ele é um OSIsta. No evento ele chegou a dizer em sua apresentação que “Ubuntu e Debian eram a mesma coisa”. Não sei exatamente como a comunidade Debian encara essa afirmação, mas eu discordo com veemência.

Estes dias, ao criticar a recomendação de um FLISOL sem Ubuntu ele se assume publicamente: “Por isso que parei de usar GNU/Linux e passei a usar Linux. Não tem essas restrições”. Vejam a imagem e perceba o contexto.

Hélio OSIstaComo disse antes há dias bons e dias excelentes. No plano maior a correção de rumo da Comunidade Software Livre é muito mais importante e relevante. Mas no meu pequeno universo de batalhas e ativismo, ver que depois de anos, finalmente as pessoas começam e entender a diferença entre Software Livre e OSI me deixa muito feliz. Desfazer essa confusão é algo que será muito benéfico para o Movimento Software Livre e também para aqueles que não queiram seguir um ativismo tão comprometido. Essas pessoas poderão se definir como OSIstas, relaxar e ser felizes. E especialmente, deixar de ser opositor do Software Livre.

Então aqui cabe um parabéns público ao Hélio Loureiro por ter se assumido. Espero que muito outros sigam seu exemplo, se assumam como OSIstas e parem de ser um empecílio ao Software Livre. E olha, como tem gente precisando fazer isso, não é mesmo Fabs?

Finalmente começo a acreditar que tempos melhores virão para o Movimento Software Livre, pois sem os opositores disfarçados que confundem as pessoas, é muito provável que em breve tenhamos uma nova geração de jovens GNU’s prontos para se comprometer com os valores ideológicos, morais, éticos e filosóficos do Software Livre.

Saudações Livres!