LinuxWorld – Demais dias

Como disse no capitulo anterior cheguei um pouco mais tarde no evento e fui direto para o stand do “The Linux Show”. Trata-se de um pessoas que faz transmissões de rádio via web de dentro dos eventos. Muito interessante porque transmite entrevistas ao vivo com pessoas importantes, exibidores, palestrantes.

Até então tudo que sabia é que esse era o lugar de encontro com Maddog. Quando ele chegou apenas me informou que os próximos entrevistados seríamos nos dois. Ups!! rádio ao vivo nos Estados Unidos? Me deu um frio na barriga só de pensar de que eu estaria falando para um monte de americanos no meu “não tão bom inglês”.

Subi no pequeno palanque e mandei a frase de sempre: “I believe that I speak in english, but don’t have to agree with that” e falei sem pena. Para os que me conhecem sabem, que mesmo com muita pena eu falo pra caramba, logo…

Fui entrevistado pelo Jeffrey Gerhardt que é um dos produtores do The Linux Show. Interessante quando falei dos Telecentros de São Paulo e comentei que eles atendiam ao redor de trezentas mil pessoas por mês ele ficou realmente impressionado. Mas foi Maddog quem esclareceu que São Paulo é a segunda maior cidade do mundo com 24 milhões de habitantes. Aproveitei para emendar e deixar claro que a capital do Brasil é Brasília e não Buenos Aires.

Também foi muito legal ver a cara de surpresa quando falei que o Katatudo é o primeiro sistema de busca livre e que esta disponível para download.

Depois da entrevista maddog tinha um monte de coisas para fazer e decidi bater perna pela exposição e ver se encontrava alguma novidade interessante. Na verdade não encontrei nada, nem novidade técnica, nem novidade humana. Até mesmo aquelas mulheres que ficam nos stands são feias ou velhas. Impressionante como no Brasil isso é diferente. Fiquei imaginando o quão lindas seriam essas garotas em um evento do nível da LinuxWorld se fosse no Brasil.

No final da tarde fui ao ponto de encontro com maddog e de la seguimos para a festa da Beowulf Clusters. Essa foi a festa escolhida pelo Maddog, pois nesse dia houve festa de praticamente todos os expositores. A festa da Intel contou com transporte gratuito e mais de 20 ônibus estavam do lado de fora do Moscone Center para levar as pessoas para a festa.

A festa da Beowulf foi feito em um bar chamado Thirsty Bear ( urso sedento ), a duas quadras do Moscone Center, e ela tinha um propósito um pouco maior do que simplesmente fazer propaganda: foi a comemoração dos 10 anos do projeto Beowulf.
A festa foi legal e fui apresentado a algumas pessoas inclusive ao Donald Becker que é engenheiro da Nasa e foi o criador do Beowulf Cluster.

Legal também provar essa cerveja com um toque de baunilha. Meio estranho no começo, mas realmente uma boa cerveja. Especialmente por ser de graça 🙂

Depois de tomar todas fomos para o hotel meio tontos para dormir e enfrentar o último dia do evento.

Terceiro e último dia

No último dia acordamos cedo e fomos juntos para o Moscone Center onde estava sendo realizado a LinuxWorld. Decidi ficar na sala dos palestrantes para ter acesso a Internet e ficar confortável para trabalhar e colocar os e-mails em dia.

Passei a manhã inteira conectado e o almoço foi servido la mesmo. Incrível, pois se soubesse que havia almoço gratuito na sala dos palestrantes teria ido comer la.

Nada de mais aconteceu nesse dia exceto termos ido jantar com um grupo de pessoas leais em um restaurante vegetariano. Confesso que a comida estava gostosa, apesar da falta que um bom bife sangrando faz numa refeição.

Fomos dormir cedo para no dia seguinte fazer um pouco de turismo. Aguardem os próximos capítulos.

Anahuac

09/08/2004