LSM II

No dia em que cheguei a Metz e depois de alguns contratempos consegui chegar ao Hotel fiquei do lado de fora esperando por umas 3 horas até que o horario de atendimento chegasse.

Deve ser coisa de Frances, porque eles so atendem das 17:00 as 22:00 horas. Nunca vi um horario mais estranho, especialmente porque se voce chegar no hotel as 08:00 estara enrascado.

Durante essas tres horas de espera conheci um Marroquino, cujo nome é absolutamente inpronunciavel, e olha que modesta parte, domino bem tres idiomas.

De qualquer maneira ele é uma boa pessoa e trabalha como professor em Casablanca utilizando Software Livre como ferramenta de informatica. Depois de fazer o registro no Hotel, decidimos ir descançar para estarmos bem dispostos para o inicio das atividades no dia seguinte no evento. Como eu nao trouxe despertador e o hotel nao tem ninguem de manha entao pedi ao meu amigo Marroqui que me acordasse as sete, pois ele sim tem despertador.

Chegamos no evento na hora determinada de inicio: 08:00 em ponto estavamos na porta do evento. Alias, uma porta trancada, ninguéem tinha chegado ainda, nem mesmo o pessoal da organizaçao. Esperamos mais 40 minutos e entao começaram a chegar os priemeiros estudantes e membros do evento.

Uma mesa com apenas 3 pessoas deveriam realizar o registro de mais de 800 pessoas inscritas no evento. Obviamente aue se montou uma verdadeira Feira Arabe no saguao do curso de tecnologia, alis um saguao bem pequeno. Todos queriam ser inscritos antes do almoço. Isso porque todos tem uma fome doentia e sao mais do que britanicos para largar tudo e ir comer. Obviamente nem 10% foram registrados naquele momento, assim as 10:00 o presidente do evento convoca todos para irmos ao auditorio principal para a solenidade de abertura do evento.

Foi uma abertura rapida e diferente com todos os presentes e graças aos espiritos do Xingu um orador falava em Frances e um outro traduzia imediatamente para inglês. Meio feio, mas funcional.

Terminou a abertura e todos corrreram mais uma vez para fazer seus registros. Definitivamente eu nao estava entendendo o poraue de tanto interesse em fazer o maldito registro. Depois de uma conversa sofrivel com o presidente do evento, desvendei o mistério: no ato do registro cada participnte recebia um vale refeiçao para comer no refeitorio da universidade !!!! E depois somos nos os mortos de fome: hehehehehe

As palestras tiveram inicio realmente as 11:00 da manha do primeiro dia, mas o horario so saiu de tarde, logo nao dava para saber quem ia falar sobre o que, e pior ainda, em que lingua. Terminei ficando pelos corredores do evento conversando com alguns alemaes, poloneses, marroquinos, belgas, marcianos, venuzianos, todos, menos franceses…. até parece que falar ingles é uma doença extremamente contagiosa.

Depois de algum tempo da para sentir as grandes diferenças social que existem entre os povos europeus e os latino americanos: é simplesmente impressionante como as mulheres sao frias e distantes e os homens mais ainda. Parece que é lindo ficar fora, ficar so, isolado e tentar falar o minimo possivel. As relaçoes humanas ficam sempre por ultimo. Isso explica porque essas pessoas quando vao para qualquer pais Latino ficam completamente encantados: quantos artistas internacionais sempre dizem que somos um povo muito receptivo e muito amavel? é a mais pura verdade: os europeus sao muito mal amados e muito sozinhos. Mil vezes 8 horas de forro no Forrock em Joao Pessoa do aue um jantar elegante na Champ Elisé em Paris. Puts nem sei se é assim que se escreve, mas também nao faz a menor diferença.

Quase que todas as palestras sao ministradas em Frances, logo eu sequer me dei ao trabalho de assistir. As poucas que sao ministradas em inglês tem como tema a educaçao e o meu interesse nesse tema nao é tao grande, assisti uma ou duas. O resto do dia foi para fazer contatos fora das apresentaçoes, especialmente com alemaes e poloneses. No fim da noite, ou melhor no fim do dia, pois o sol se poe as 22:00, saimos para tomar uma cerveja e comer alguma coisa. Foi ai que descobri como as coisas sao caras. Cheguei cedo ao hotel, apenas 3 horas depois de escurecer e procurei descançar porque no dia seguinte teria 3 apresentaçoes.

Dia 10 A primeira apresentaçao estava marcada para as 9:00 da manha. As 8:00 meu amigo Marroquino e eu ja estavamos na porta do evento, mais uma vez, para abrir as portas da universidade. Entramos e fui procurar a sala onde iria fazer minha apresentaçao sobre a situaçao do Software Livre na América do Sul: Sala B25. Esta sala estava tao bem escondida, que mesmo com a ajuda de um funcionario da Universidade, custou quase 20 minutos entre subir e descer de escadas e de pasar por infindaveis corredores. Confesso que por um momento fiquei pensando que eles deveriam guardar pedaços de uma nave especial, ou quem sabe até mesmo um alien vivo. Deu uma vontade danada de ligar para Dana Sculy e Fox Mulder.

Era uma sala enorme com capacidade para umas 300 pessoas. Primeiro me senti feliz, afinal de contas se tinham destinado aquela sala para a minha apresentaçao era porque eles ecreditaram que cerca de 40% de todos os partipantes do eveto queriam ouvir o que eu tinha para dizer. Na verdade eu nunca imaginei que os franceses teriam tanta curiosidade sobre a América do Sul.

Percebi que na sala nao havia nenhum computador disponivel, nem projetor, nem ninguéem esperando, nem ninguém para assistir a palestra. Haaaaa; mas eram 8:50, certamente em 10 minutos a sala estaria lotada, o computador chegaria e o projetor também; assim como duas lindas assistentes de palco, como as de Porto Alegre!!! Sim seria um dia glorioso na França.

Quarente minutos se passaram e nao da para dizer que so se ouvio o barulho de um grilo no fundo da sala, porque por aqui quase nao existem insetos, mas o som aterrorizante do vazio estava bem presente: ninguém, nem uma unica alma estava la ou foi para ver do que se trava. Voltei para o estande onde estavam alguns conhecido e tentei disfarçar meu constrangimento conversando sobre amenidades, até que um deles lembrou que eu deveria estar dando uma palestra! Realmente constrangedor ter que admitir publicamente, mas nao teve outro jeito que nao dizer que ninguem tinha comparecido e externar o quanto me senti mal por isso. Metade deles achou normal, mas outros 4 que tembem tinham palestras no mesmo horario começaram a rir e disseram que eu nao fui o unico preterido, todos eles tambem tinham tido audiência zero.

Aquela sensaçao de prazer que se sente quando entendemos que nao somos os unicos desgraçados da face da Terra, tomou conta de mim e decidi entao me preparar para a segunda apresentaçao que seria as 15:00 sobre o LESP-CEL, um tema que certamente interessaria a todos, a exemplo da espetacular audiência que ela teve em Porto Alegre. Procurei a organizaçao do evento para saber sobre o computador e o projetor.

Depois de mais de 40 minutos veio a negativa: te vira e pede para alguem te emprestar um notebook e ha, foi mal nao ter avisado antes, mas também nao temos projetores. O mais impressionante foi a forma como foi dito, parecia até que era uma boa noticia, nem uma virgula de constrangimento, de consternaçao, de pena ou de remorso. Sem nenhuma outra opçao, falei com o amigo Ismael Olea, um espanhol, membro do projeto Lucas com o qual tinha dividido um quarto de hotel em Montevideo, dois anos antes. Na verdade nem somos tao amigos, mas essa é uma outra historia.

Passei cerca de 4 horas configurando o LESP-CEL para funcionar na distribuiçao que ele tinha instalada, passei batido pelo almoço e consegui finalmente deixar tudo funcionando e todos os arquivos originais salvos para poder devolver o notebook de Ismael no mesmo estado em que ele me emprestou.

As 14:30 eu estava de novo no esconderijo do alien: Hangar B25, esperando pelo meu publico. As 15:35 quando eu ja estava fechando o notebook para ir embora, mais uma vez, por falta de quorum; chegam dois rapazes para assistir minha palestra. VIVA !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Finalmente eu tinha publico !!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Ta certo que nao era uma multidao, mas ja dava para falar no plural: tinham pessoaS, com S maiusculo, na minha apresentaçao. Linda essa derivaçao entre singular e plural e a unica certeza é de aue se é singular era um so, mas se era plural nao importa se eram duas ou cinco mil pessoas. A palestra transcorreu bem, sem projetor, m esforcei ao maximo no quadro negro e giz branco para fazer os diagramas que explicam o funcionamento do LESP-CEL. No fim uma apresentaçao pratica no notebook e minha plateia foi ao delirio e aplaudiram de pé….. claro que nao preciso dizer que eles ja estavao de pé, atras de mim olhando para a pequena tela do notebook. Mas tudo isso sao detalhes!!!! Eu vim, vi e venci!!!!!

Terminamos por volta das 17:00 e estava na hora da terceira apresentaçao, onde tratariamos, Guylhem Aznar, Ismael Olea e Eu sobre os diversos problemas da documentaçao do SL no mundo. A primeira palestra de Guylhem e a primeira de Ismael, assim como a minha inham sido um total sucesso de inadimplencia de pesoas, ou seja, publico igual a zero. Assim essa palestra foi cancelada por problemas técnicos, ou como diria um velho personagem de Hanna Barbera: saida espetacular pela Esquerda!!!!

Depois de tudo terminado a organizaçao do evento ofereceu um jantar para todos em um clube da cidade que fica bem perto do hotel onde estou hospedado. Assim fomos todos andando do campus universitario para esse local, sempre conversando e trocando ideias com varias pessoas, exceto franceses. Chegamos ao clube para descobrir que o jantar oferecido ao modico preço de 22 euros, algo em torno de R$ 70,00. Para os padroes europeus até que é barato, mas para um terceiro mundista nordestino como eu isso é apenas um absurdo de caro. Especialmente para mim que converti rapidamente esses R$ 70,00 em cervejas e o numero que me veio a cabeça foi de 37 cervejas por um jantar? Nem pensar!!! Fui para o Hotel onde pretendia tomar um banho e ver se achava um bar legal para tomar as primeiras cervejas. Conclusao: cheguei morto ao hotel, li duas paginas do livre aue trouxe para a viagem e desmaiei na cama. Acordei hoje com o meu amigo Marroquino batendo na porta, pronto para outro dia animadissimo neste evento.

Tao animado e produtivo que estou aqui na sala do terceiro andar ecrevendo estas linhas, torto de saudades da minha terra, dos meus amigos, da minha familia e obviamente do meu computador.

P.S. – Que stes relatos sirvam para todos: aos organizadores e amigos do Forum Internacional de SL de Porto Alegre e do Brasil onde somos os melhores organizadores de eventos do mundo. A minha familia e amigos pessoais que um dia achem que vir a Paris é algo realmente fantastico, aos que sentem essa opressao e esse sentimento de inferioridade frente aos europeus e americanos, aos homens que sonham com “as francesinhas” gostosas e fogosas e para todos os demais itens subliminares do meu relato.

Forte abraço para todos.

Anahuac

20/07/2004