A counterrevolution to exterminate Free Software philosophy

OSI is a market strategy, coldly thought and carried out in a magnificent way, whose main goal is exterminate Free Software philosophy. When the market understands the meaning of Free Software philosophy, it’s reach and it’s consequences by hackers adoption, became clear that something has to be done. They can’t allow the digital revolution, the end user empowerment and the break on capitalist production method. The capital and it’s companies must keep it’s control over the market ans costumers.

The main goal is reframe Free Software, make in it innocuous, impotent, powerless, just technical and whenever possible, replace it by Open Source. Free Software philosophy would thereafter, gradually exterminating it’s original meaning.

Methods are many and acts on multiple fronts with different subjects. On this article I’ll try to show how the strategy was carried out. So, take a deep breath, open your mind and follow me.

OpenSource Initiative

Founded in February 1998 by Eric Raymond and Bruce Perence https://opensource.org/history,, so 15 year latter than GNU Project and 7 years latter kernel linux get in the GNU operational system. Many distributions already warrant an easy way to install and distribute Free Software. Therefore Free Software philosophy was already being broadcast with the software itself. So they must to react as fast as possible.

Lets take a look on the terms of Open Source definition:

  1. Free Redistribution
  2. Source Code
  3. Derived Works
  4. Integrity of The Author’s Source Code
  5. No Discrimination Against Persons or Groups
  6. No Discrimination Against Fields of Endeavor
  7. Distribution of License
  8. License Must Not Be Specific to a Product
  9. License Must Not Restrict Other Software
  10. License Must Be Technology-Neutral

Fonte: https://opensource.org/osd-annotated

Read it again and try to find any social or political reference. In fact, it’s obvious how it’s seeks for neutrality, for cleaning, for technicality. No attempt to go beyond the code itself. They resume it on this sentence:

“The promise of open source is higher quality, better reliability, greater flexibility, lower cost, and an end to predatory vendor lock-in”

Quality, reliability, flexibility and cost… en at the end the no vendor lock-in. Even so, it didn’t mention freedom not once. Why?

Goodbye Free Software, Hello Open Source

February 8th 1998, Eric Raymond publish this little article called “Goodbye Free Software, Hello Open Source” where he explain a bit about OSI motivations. Read it yourself on http://www.catb.org/esr/open-source.html and the follow me here. I’ve found a couple of very interesting things:

  1. “Free Software” term makes a lot of corporate types nervous;
  2. Our commitment it with technical excellence;
  3. Everybody should change the term “Free Software” by “Open Source”. Open Source Software, Open Source Model. Open Source Culture….;
  4. Linus Torvalds was one of the very firsts to use the new term;
  5. Other grate guys like Jon “maddog” Hall, Larry Augustin, Bruce Perence and Phil Huge also adopt the new term. Maddog still use FOSS until today;

Then there is no room for speculation: the main goal is replace “Free Software” by “Open Source” to please the market. This is how a counterrevolutionary organization born whose objective is introduce a new definition to software freedom, that’s begins with grates names of the Free Software community converted to the new order. This people will spend the next two decades – almost – spreading and encouraging Open Source concept as the same time attacking Free Software Movement philosophy.

You can say that this is Eric’s personal opinion and it don’t reflects OSI’s. Well, I do think you have to be to much innocent to believe on it. Erin wasn’t a regular activist, he was OSI founder and his opinion was very important one. Having quoted by name all this grates from the Free Software community proves that he spoke on behalf of the group. Last but not least: did you really expect to see a public document where OSI admits that this is the reason of it own existence is exterminate Free Software philosophy?

Methods

During the last two decades many methods was been applied to accomplish the mission. What all of it has in common are the half-truths to take the side of it’s interests.

  • Mix technical, legal and philosophical concepts

On the technical aspect, the access to the code and the collaborative development, Free Software and Open Source are the same. In the legal aspect, the licences, on 99% of the cases warrant the software 4 freedoms , making Free Software and Open Source identical. The major difference is the philosophical one, where Open Source rejects Free Software and try to replace it.

  • Repete that Open Source and Free Software are the same thing

This one take advantage of the natural hackers disinterest with social-political-ideological matters to spread that Free Software and Open Source are the same thing. This is one of those half-truths easy to believe on, because the differences are in the field of ideas ans not on the code itself. As Free Software concept most famous and already understood by the community, there is no interest to pint the differences, so as much spread that both are the same the better.

It is a way to sweeten the speech to the most brave Free Software philosophy advocates, but is specially efficient on the new ones. Those, on they firsts contacts with the software freedom universe get the message that Open Source and Free Software are identical no matter what.

  • Replace “Free Software” by “Open Source

As expected they use more and more the term Open to replace an reframe Free. Then the open word becomes synonymous to freedom. VIP speakers uses the term and communities and it’s principals get it fast and do the same because this is the way meritocratic societies work. Users group, softwares and conferences are built using the new term. OScon, Open Data, Open Knowledge, Open Hardware, OpenOffice, you name it.

  • Quantity is more than quality

The market share mantra has been repeated exhaustively. What matter is rise the number os users, even if they don’t understand well what software freedom is about. This is the financial argument being mucho more released than the freedom one.

  • Drop the GNU

Linus Torvalds didn’t create a operational system. Every body knows that Linux is a kernel. The operational system name is GNU. But is part of the strategy drop the GNU label. Remember Linus is one of the firsts do join to the new Open Source concept, so it’s not surprising when he says that “is ridiculous have to call the operational system GNU/Linux”.

It’s quite interesting realize that linux project is unde GPL licence, even so, Linus is a strong Open Source advocate.

There is no way to deny the strategical importance of removing GNU label from the operational system name. If the main goal is to establish a new brand and a new idea, the best way is eliminate the old one.

  • criticize Free Software ideology

Eric Raymond was always the most explicit, but the criticismo to the “movement ideology” has been huge like always. Arguments like “do code is what matters” shows the anti philosophical attitude. It’s like the Free Software Movement was just about do code. We need to remember that it’s main goal is the user freedom. Do code is important, but secondary.

Religious, party and economical nicknames are used recurrently to disqualify the philosophical importance os the movement. Shiites! Petists! Communists! They say.

  • Override market issues over philosophical ones

Economical and corporate issues became more important than the ideological alignment whit Free Software main goal. Quality and cost are shown as more importante advantages than users freedom, specially from the vendors lock-in. This kind of argument attracts the companies.

  • Frontal attacks to Stallman behavior

Richard Stallman is not a regular person. He has serious interpersonal difficulties. No deviation of character or moral. He just don’t deal with people. Some people says that he suffers from Asperger’ Syndrome, but he never confirmed that. The fact is the method exploits covertly his bad interpersonal behavior to depreciate the Free Software Movement philosophy. They make a direct association between Stallman inpatient and rudeness to prove that Free Software philosophy is also rude or intolerant.

  • Systematic persecution of conservatives

Any one that oppose against Open Source terms must be excoriated. Personal accusations, community destroyer, agitator, communist, crazy, radical, Shia, etc… are welcomed nicknames. It’s not acceptable be against market interests, the capital and the freedom of choice.

This is the fascist brotherhood that make me create the term OSIst. They are Open Source advocates and work hard and conscious to extinct Free Software philosophy.

Consequences

At the beginning Free Software community believed on the benefits of heaving another group of users defending users freedom, even under a more pragmatic point of view. Arguments like smooth the speech to get corporate acceptance seem interesting. But “when you dance with the devil, you don’t change the devil, the devil changes you”.

  • Private social networks compliance

Companies like Google emerge using Free Software under Open Source label. Using legal loopholes, on GPL and OSI licences, they used and got all they wanted. Specially because basically they do Saas – Software as a service and don’t distribute copies of it softwares, so it don’t hurt GPL V2. This was celebrated as prove of Open Source quality and then as a model that should be copied and expanded. Quickly almost all Free Software communities all around the world start to feel right using Google solutions, it’s e-mails, discussions list, on-line drives and all the set of tools. The cherry cake was when Android arrives.

Once activists where coopted by Google facilites, have a Facebook and WhatsApp account didn’t represent any trouble. Then Free Software groups was no longer resistance centers out of market standards. It became just another activists group inside the big bubble of proprietary social networks.

  • Market unethical strategies acceptance

Companies that use ir invest on Open Source starts to behave like regular companies and start to use unethical strategies. The community reaction is the thermometer. The first explicit test was the spyware distributed by Canonical on Ubuntu 12.10. Despite the harsh criticism by FSF, most of users and communities believed that the fix to remove the spyware was enough.

It’s like the hidden activation of a spyware where a system bug and not a commercial strategy. Open Source people seem this issue just like that.

  • Moral relativism with non free software attached

The extent to which Open Source get stronger, Linus Torvalds decides increase the amount of bobs/drivers/firmwares non free on kernel linux. This increase make the kernel compatible with much more devices since there is no need to do reverse engineering. All you have to do is accept manufacturer terms. Ths sudden compatibility was celebrated by many, even knowing that means distribute more and more non free software.

Into the distributions, Ubuntu was precursor with no shame to install this non free drivers without inform users. The best example of this kind of thing is Android. More than 85% of smartphones market uses linux kernel to run mostly non free softwares.

  • Geometrical hypocrisy increase of community exponents;

Free Software Movement exponents, slowly, aligned with Open Source precepts. By using Google non free software tools, by using Apple devices, by accepting proprietary blobs on kernel, by taking operational system name change, by adopting Tux – Linux mascote – as Free Software symbol, by the furious criticis at Stallman. By all of it together.

Major confirmation of it is FLISOL – Festival Latinoamericano de Instalación de Software Libre which became a Ubuntu Install Fest. This activists truly believe they are spreading Free Software but they are perpetuating OSI perception with it  market complacency.

  • Gradually IT companies became closer at Open Source 

Big companies analyse risks to take advantage decisions. Open Sources grown adoption shows that Free Software subversion term already took place. There is a no risk perception and the gain to it business adopting the collaborative production model, it’s quality and lower production costs.

Open Source works like a tool to strengths it market positions, so it’s look nothing like the original Free Software ideas, that is ensure users freedom.

Recent Facts

  1. Linux Foundation release a animated 6 episode documentary to tell Linux history. GNU word is no mentioned once. It is very notorious how they confuse, deliberately, kernel and operational system. http://www.linuxfoundation.org/world-without-linux
  2. On a recent TED interview Linus Torvalds said “Free Software is how we use to call Open Source back then”. Its a loud and clear message: do not say Free Software, say Open Source. Its like Open Source was Free Software evolution. At 00:04:09 https://www.youtube.com/watch?v=2CGbyz8UzCY
  3. Except FSF, nobody else seems to critique the huge increase of proprietary software on linux kernel. It seem that the possibility to remove them is good enough.
  4. It’s not unintentionally that “Microsoft ♥ Linux”. Now that Linux is the operational systems name and it’s ideological bias is pro market, the it’s safe to love Open Source. https://blogs.technet.microsoft.com/windowsserver/2015/05/06/microsoft-loves-linux/

Sure you can disagree with all of it and call me a conspiracionalist. That was everyone said when we talked about Google reading your emails. That was everyone said when we alerted about lobal surveillance. That was everyone said when we alert about communities getting week when it migrated to proprietary social networks. That was everyone said when we alert about Free Software conferences being losing it’s philosophical alignment.

OSI is a market strategy, coldly thought out and ingeniously

OSI é uma estratégia de mercado, coldly thought out and carried out in a masterly way, whose objective is exterminate Free Software philosophy.

And it is succeeding.

Liberte um GNU – Portador da Suíça para o Brasil

Se você é ligado em tecnologias livres certamente sabe que o notebook dos sonhos de um verdadeiro ativista do Software Livre é o ThinkPad X200. O fato dele permitir a substituição da BIOS pelo libreboot e ter assim o conjunto mais livre que se pode ter hoje no mercado é demais!

Um ativista brasileiro que vive na Suíça tem um e decidiu doá-lo a alguém que possa fazer bom uso dele.

Em reconhecimento ao trabalho militante de base que o Dauscaker vem fazendo no rio Grande do Sul, queremos que ele seja o mais novo dono de um lindo X200 100% livre!

Mas precisamos muito de um portador, ou seja, alguém em trânsito entre a Europa e o Brasil. Claro que o ideal seria um que fizesse o trecho Suíça -> Porto Alegre e que estivesse disposto a carregar consigo um segundo notebook.

Será que encontramos um GNUzinho para nos ajudar nessa empreitada?

Saudações Livres!

Contrarrevolução para exterminar a filosofia do Software Livre

stallman1OSI é uma estratégia de mercado, friamente pensada e levada a cabo de forma magistral, cujo objetivo é exterminar a filosofia do Software Livre. Quando o mercado entende a proposta filosófica do Software Livre, seu alcance e especialmente, as consequências de sua adoção pelos hackers, ficou claro que era necessário reagir. Não se podia permitir a revolução digital, o empoderamento do usuário e a ruptura do processo capitalista de produção. O capital e suas empresas precisavam manter a metodologia de controle de mercado e de seus consumidores.

O objetivo é ressignificar o termo Software Livre, tornando-o inócuo, impotente, meramente técnico e sempre que possível, substituí-lo por Open Source. A filosofia do Software Livre seria, a partir de então, lentamente substituída levando ao extermínio do seu significado original.

Os métodos são diversificados e agem em diversas frentes, com diversos atores. Neste artigo tento mostrar como a estratégia foi levada a cabo. Então respire fundo, abra sua mente e siga-me.

OpenSource Initiative

Fundada em fevereiro de 1998 por Eric Raymond e Bruce Perens https://opensource.org/history, ou seja, 15 anos depois da fundação do projeto GNU e 7 anos depois do lançamento da incorporação do kernel Linux ao sistema operacional GNU. Várias distribuições já garantiam a facilidade de instalar e distribuir Software Livre. Portanto a filosofia do Software Livre já estava sendo amplamente difundida junto com o software em si. Era preciso reagir rápido.

Vejamos os 10 preceitos que definem o Open Source:

  1. Redistribuição livre
  2. Código Fonte
  3. Trabalhos Derivados
  4. Integridade do Autor do Código Fonte
  5. Nenhuma discriminação a pessoas ou grupos
  6. Nenhuma discriminação a nenhuma área de trabalho
  7. Distribuição de Licença
  8. A licença não deve ser específica para um produto
  9. A licença não pode restringir outro software
  10. A licença tem que ser tecnológica e neutra

Fonte: https://opensource.org/osd-annotated

Leia de novo e tente encontrar alguma referência social ou política. Na verdade, fica evidente, a busca pela neutralidade, pela limpeza, pelo tecnicismo. Nenhuma tentativa de ir além do próprio código. Eles fazem um resumo nesta frase:

“A promessa do código aberto é ter melhor qualidade, mais confiabilidade, mais flexibilidade, baixo custo, e o fim do aprisionamento feito pelo fornecedor.”

Qualidade, flexibilidade e custo…. e por último o fim do aprisionamento do fornecedor. Mesmo assim, não se pronuncia a palavra liberdade nem uma única vez. Por que será?

Goodbye Free Software, Hello Open Source

Eric Raymond publica em 8 de fevereiro de 1998 o texto intitulado “Adeus Software Livre, Olá Código Aberto” onde ele explica um pouco das motivações por trás da criação da OSI.  Leia você mesmo a carta em http://www.catb.org/esr/open-source.html e depois me siga aqui. Eu encontrei algumas informações interessantes:

  1. O termo “Software Livre” deixa as corporações nervosas;
  2. Nosso compromisso é com a excelência técnica;
  3. Preciamos de uma nova marca;
  4. Todos devem mudar a marca “Software Livre” por “Open Source”. Open Source Software, Open Source Model. Open Source Culture….;
  5. Linus Torvalds foi um dos primeiros a usar o novo termo;
  6. Outros grandes como Jon “maddog” Hall, Larry Augustin, Bruce Perence e Phil Huges também adotaram o novo termo. Maddog, inclusive usa o termo FOSS até hoje;

Fonte:  http://www.catb.org/esr/open-source.html

Então não se trata de mera especulação ou de teoria da conspiração: o objetivo é substituir o termo “Software Livre” por “Open Source” para agradar o mercado. Assim nasce uma organização contrarrevolucionária cujo objetivo é apresentar uma nova definição sobre liberdade de software, que começa com o apoio de grandes expoentes da comunidade Software Livre que se “convertem” a nova ordem. Essas pessoas passariam as próximas duas décadas – quase – divulgando e incentivando o conceito de Open Source e também, atacando os fundamentos da filosofia do Movimento Software Livre.

Sempre haverá aquele inocente útil que dirá que se trata da opinião pessoal de Eric e não da OSI. As Polianas que me perdoem, mas Eric não era um ativista qualquer, era fundador da OSI e sua opinião tinha muita importância. Ter citado nominalmente os destaques da comunidade sem nenhuma reação comprova que ele falava em nome desse grupo. Por fim, mas não menos importante: é sério que se espera ver um documento público onde a OSI admita que o motivo se sua fundação e ações são exterminar a filosofia Software Livre?

 

Métodos

No decorrer dessas duas décadas diversos métodos foram empregados para levar a cabo a missão. O que todas tem em comum são as meias verdades que pendem sempre para o lado do seu interesse. A saber:

  • Misturar conceitos técnicos, legais e filosóficos

No aspecto técnico, o acesso ao código e a forma de desenvolvimento colaborativo, Software Livre e Open Source são idênticos. No aspecto legal, as licenças, em 99% dos casos garantem as 4 liberdades do software, fazendo com que Software Livre e Open Source sejam idênticos. A grande diferença está na esfera filosófica, onde o Open Source rejeita a filosofia do Software Livre e tenta substituí-lo.

  • Repetir que Open Source e Software Livre são a mesma coisa

O método aqui é se aproveitar pelo desinteresse nato dos hackers e nerds com as questões socio-políticas-ideológicas, para difundir que Software Livre e Open Source são a mesma coisa. Essa é uma daquelas meias verdades fáceis de aceitar, pois as diferenças estão no campo das ideias e não no código em si. Sendo o Software Livre um conceito mais famoso e já compreendido pelas comunidades, não há interesse em apontar as diferenças, portanto difunde-se que “é tudo a mesma coisa”.

Essa é uma forma de adoçar o discurso para os mais rígidos defensores da filosofia Software Livre, mas é especialmente eficaz com os noviços. Esses, em seus primeiros contatos com o mundo da liberdade do software recebem imediatamente a informação de que Open Source e Software Livre são sinônimos.

  • Substituir “Free Software” por “Open Source”

Como já ficou claro desde o início, passa a ser cada vez mais recorrente o uso do termo Open para ressignificar o Free. Então o termo aberto passa a ser usado como sinônimo de liberdade. Palestrantes de peso passam a empregar o termo e as comunidades e seus organizadores rapidamente os copiam, pois é assim que funcionam as sociedades meritocráticas. Grupos de usuários, softwares e eventos são criados com o termo. OScon, Open Data, Open Knowledge, Open Hardware.

  • Quantidade é mais que qualidade

O mantra do aumento da participação no mercado foi exaustivamente repetido. O que mais importa é aumentar o número de usuários, mesmo que esses não entendam exatamente do que se trata. Assim o argumento financeiro foi muito mais difundido do que o aspecto libertário.

  • Eliminar o termo GNU

Linus Torvalds não criou um sistema operacional. Todo mundo sabe que Linux é um kernel. O nome do sistema operacional é GNU. Mas faz parte da estratégia eliminar o termo GNU da forma mais ampla possível. Lembrem-se que Linus é um dos primeiros a aderir ao novo conceito de Open Source, então não devemos estranhar o fato dele afirmar “que é ridículo ter que chamar o sistema operacional de GNU/Linux”.

Interessante perceber que o projeto linux é licenciado pela GPL, mesmo o assim Linus é um defensor arraigado das diretrizes do Open Source.

Não há como negar a importância estratégica e de mercado na remoção do nome GNU na referência ao Sistema Operacional. Se o objetivo era estabelecer uma nova marca e uma nova ideia, nada melhor do que eliminar a anterior.

  • Criticar a ideologia do Software Livre

Eric Raymond é o mais explicito, mas a quantidade de criticas ao que se chama “ideologia do movimento” é enorme. Argumentos como “o que importa é fazer código” deixam clara a postura anti filosófica. É como se o Movimento Software Livre tivesse sido criado para produzir código. Vamos lembrar que o objetivo primário é a liberdade do usuário. Fazer código é importante, mas é secundário.

Alcunhas religiosas, partidárias e econômicas são utilizadas de forma recorrente para desqualificar a importância filosófica do movimento. Xiitas! Petistas! Comunistas! Eles dizem.

  • Sobrepor aspectos de mercado sobre os filosóficos

Aspectos econômicos e corporativos passam a ter mais importância do que o alinhamento com o objetivo primário do Software Livre. Qualidade e custo do software são mostrados como vantagens mais importantes do que garantir a liberdade dos usuários, em especial a sua liberdade dos fornecedores de tecnologia. Esse discurso é amplamente divulgado e atrai as empresas.

  • Ataques frontais ao comportamento de Stallman

Richard Stallman não é uma pessoa normal. Ele tem sérias dificuldades de relacionamento interpessoal. Nenhum desvio de caráter, nem moral. Ele apenas não lida bem com as pessoas. Há quem diga que ele sofre da Síndrome de Asperger (não confirmado por ele). O fato é que um dos métodos é explorar de forma velada seu mal comportamento social para depreciar a filosofia do Movimento Software Livre. Fazem a associação direta entre a impaciência e rudeza de Stallman como prova de que a filosofia do Software Livre é rude ou intolerante.

  • Perseguição sistemática aos conservadores

Qualquer um que se oponha aos termos do Open Source deve ser execrado. Acusações de ordem pessoal, de destruidor de comunidades, de agitador, de comunista, louco, radical, xiita, etc… são muito bem-vindas. Afinal de contas não é aceitável ter uma posição contrária aos interesses do mercado, do capital e da liberdade de escolha.

Essa é a irmandade fascista que me fez cunhar o termo OSIsta. São defensores dos preceitos Open Source e se dedicam de forma ativa e consciente a levar a cabo a extinção da filosofia do Software Livre.

Consequências

Inicialmente a comunidade Software Livre acreditou que ter mais um grupo organizado defendendo a liberdade dos usuários, mesmo sob uma ótica mais pragmática, seria algo positivo. Os argumentos de que era necessário suavizar o discurso para termos apoio empresarial parecia interessante. Mas “quando você dança com o diabo, você não muda o diabo, o diabo muda você”.

  • Complacência com as redes devassas;

Empresas como Google emergiram usando Softwares Livres sob a alcunha de Open Source. Usando brechas legais, tanto das licenças GPL quanto das licenças OSI, usaram e se apropriaram de tudo o que quiseram. Especialmente por proverem SaaS – Software como serviço na Internet, onde não se distribuem cópias do software, não ferindo a V2 da GPL. E isso foi comemorado como prova da grande qualidade técnica do Open Source e portanto um modelo que devia ser expandido e copiado. Rapidamente quase todas as comunidades de Software Livre do mundo passaram a achar natural usar as soluções do Google, seus e-mails, listas de discussão, disco on-line e todo o resto. A cereja do bolo foi a chegada do Android.

Uma vez cooptados pelo Google, ter conta no Facebook e WhatsApp não é mais um problema. Assim os grupos de Software Livre não eram mais centros de resistência fora do esquema padrão de mercado. Passaram a ser apenas mais um grupo de ativistas dentro da grande bolha de dados e informação que essas redes são.

  • Aceitação de estratégias não éticas de mercado;

As empresas que usam ou investem em Open Source começam a se comportar como empresas e iniciam suas estratégias não éticas. A reação da comunidade é o termômetro. O primeiro teste explícito foi a distribuição de um spyware pela Canonical na versão 12.10 do Ubuntu. Apesar das duras críticas por parte da FSF, a maioria dos grupos de usuários e comunidades achou suficiente uma correção para remover o spyware.

É como se a ativação escondida de um spyware fosse um erro de sistema e não uma estratégia comercial. Os defensores dos preceitos do Open Source encaram assim.

  • Relativismo moral com softwares não livres aderentes;

A medida em que a visão do Open Source ganha força, Linus Torvalds decide incrementar a quantidade de blobs/drivers/firmwares não livres no kernel linux. Esse aumento tornou o kernel compatível com um número muito maior de aparelhos, pois não há necessidade de se fazer engenharia reversa. Basta aceitar os termos do fabricante. A súbita compatibilidade foi comemorada pela maioria, mesmo sabendo que o custo era o de disseminar cada vez mais software não livre.

Entre as distribuições, o Ubuntu foi precursor e disparou na frente por não ter nenhum pudor em instalar os drivers sem sequer informar ao usuário. Mas o melhor exemplo desse fenômeno é o Android. Mais de 85% do mercado de smartphones atualmente usam o kernel linux para poder executar prioritariamente softwares não livres.

  • Aumento geométrico da hipocrisia filosófica dos expoentes da comunidade;

Os expoentes do Movimento Software Livre foram, gradativamente, se alinhando com os preceitos Open Source. Fosse usando as ferramentas não livres do Google, fosse usando aparelhos da Apple, fosse aceitando a inclusão de drivers não livres no kernel, fosse aceitando a mudança no nome do sistema operacional, fosse pela adoção exclusiva do mascote do Linux – Tux – como símbolo do Software Livre, fosse nas criticas ferrenhas ao Stallman. Fosse tudo isso junto.

A maior confirmação desse fenômeno é o FLISOL – Festival Latino Americano de Instalação de Software Livre que se transformou em um Install Fest de Ubuntu. Esses ativistas acreditam realmente que estão disseminando Software Livre, quando na verdade, estão apenas perpetuando a percepção da OSI com sua complacência com os padrões de mercado.

  • Aproximação gradual das empresas de TI ao Open Source

Grandes empresas avaliam riscos para tomar as decisões que lhes favoreçam. A adesão crescente de empresas ao Open Source mostra que já aconteceu uma subversão do significado de Software Livre. A percepção é de que não há riscos aos seus modelos de negócio e de que elas podem sim se beneficiar do modelo de produção colaborativa, da qualidade e do baixo custo de produção, sem correr riscos.

O Open Source funciona como uma ferramenta de fortalecimento de suas posições de mercado, e em nada se parece com o discurso original do Software Livre, de garantir as liberdades dos usuários.

Fatos recentes

  1. A Linux Foundation publicou um documentário, em formato de animação gráfica em 6 episódios para contar a história do Linux. A palavra GNU não é mencionada nem uma única vez. Interessante assistir para ver como eles confundem, deliberadamente, kernel e sistema operacional. http://www.linuxfoundation.org/world-without-linux
  2. Numa entrevista recente para o TED. Linus Torvalds diz “Software Livre era como se dizia Open Source antigamente”. O recado é claro: não diga mais Software Livre, diga Open Source. É como se Open Source fosse a evolução do Software Livre. Aos 00:04:09 https://youtu.be/o8NPllzkFhE
  3. Com exceção da FSF absolutamente ninguém critica o aumento vertiginoso de softwares não livres no kernel Linux. Ao que parece a possibilidade de poder removê-los é suficiente.
  4. Não é sem querer que a “Microsoft ♥ Linux”. Agora que o nome do sistema operacional é Linux e seu viés ideológico é mercantilista, então já é seguro amar o Open Source. https://blogs.technet.microsoft.com/windowsserver/2015/05/06/microsoft-loves-linux/
  5. Microsoft ♥ Linux que ♥ Microsoft de volta… é recíproco. A MS se une a Linux Foundation como Patrocinadora Platinum! http://www.tecmundo.com.br/microsoft/111752-improvavel-aconteceu-microsoft-junta-linux-foundation.htm

É claro que você pode não concordar com nada e me chamar de conspiracionista. Foi isso o que disseram quando falamos sobre o Google ler seus e-mails. Foi isso o que disseram quando alertamos sobre a vigilância global. Foi isso o que disseram quando alertamos sobre o enfraquecimento das comunidades ao migrarem para as redes devassas. Foi isso o que disseram quando alertamos sobre o desalinhamento dos eventos de Software Livre.

OSI é uma estratégia de mercado, friamente pensada e levada a cabo de forma magistral, cujo objetivo é exterminar a filosofia do Software Livre.

E está conseguindo.

Quando todos escolhem ser vigiados,
compulsoriamente,
os que escolhem não sê-lo, serão.
Sua complacência me denuncia!