Open Source não é Software Livre

Open Source’ não é ‘Software Livre’. Confundir ‘open source’ e ‘software livre’ prejudica o software livre. Artigo originalmente publicado em Inglês, na OpenSource.com. Tradução de David Jourdain e publicado na Linux Magazine 25.

Nota do tradutor: Desejo chamar a atenção para o fato que o autor deste artigo é conhecido como um dos grandes defensores do Open Source, perante grandes empresas americanas, e já ministrou palestras pelo mundo, apresentando os benefícios da adoção do Open Source mas, neste artigo, revela que ele mesmo estava errado e que, hoje, defende uma clara distinção entre ‘open source’ e ‘software livre’, para o bem do software livre!

Autor: John Mark Walker – Tradutor: David Jourdain

No universo Open Source, usar termos como FLOSS (Free / Libre e Open Source Software) é comum e representa uma confusão casual dos termos open source e software livre, que são frequentemente usados de forma intercambiável. Eu seria negligente se eu não admitisse também que eu fui culpado de também ter feito isso. Não vou mais fazer – ou, pelo menos, tentarei não fazê-lo – por uma simples razão: usar os termos de forma intercambiável é perigoso para os objetivos do software livre e dos defensores da mídia aberta (leia-se “anti-DRM”). Continuar esta prática é minar crenças que são fundamentais para o software livre e para o movimento associado a estes conceitos.

Software Livre tem a ver com liberdade
O software livre é um movimento social, com apenas uma pitada de interesses empresariais – existe no limiar entre a religião e a filosofia. O software livre é um modo de vida com um código moral forte. O cerne do espírito do software livre é a ideia de que todos devem ser capazes de usar, modificar e compartilhar, com uma limitação definida que você não pode modificar sem compartilhar. Esta é a origem do meme “software livre é um vírus”, que faz com que a licença GNU/GPL (em inglês) pareça especialmente assustadora para algumas pessoas de negócios. Abraçar o software livre é também abraçar a cultura do compartilhamento, que é algo ainda muito distante para a maioria das empresas. O ponto central do software livre era minar a ordem existente dos fornecedores de Unix’s proprietários e impor princípios de compartilhamento. E quando se trata de abraçar essa liberdade, é difícil adotar a cultura e a filosofia do software livre sem reconhecer também a luta incessante por dispositivos desbloqueados, formatos de mídia abertos, neutralidade da rede e segurança de vigilância privada e governamental. Para o resto deste artigo, vou usar “Software Livre” como abreviação para todos esses movimentos.

Open Source é sobre algo inteiramente diferente: eficiência da cadeia de suprimentos
Quando eu escrevi há uma década que Não existe Comunidade Open Source (artigo em inglês), eu fiz a seguinte pergunta: “Por que os desenvolvedores liberam código open source?” Como se vê, existem boas razões para fazê-lo do ponto de vista de operações.

Abraçar o open source é adotar um modelo de desenvolvimento que utiliza uma cadeia descentralizada de suprimentos. Conforme modelo anterior, fornecedores de soluções proprietárias controlariam internamente toda a cadeia de suprimentos de software, e o modelo open source refuta diretamente essa abordagem. O modelo open source é sobre o uso de componentes comuns, de múltiplas origens, para alcançar maior eficiência e agilidade na criação de produtos e serviços, baseados em software.

Inicialmente, os projetos open source usavam muito software sob GPL, devido ao fato de que o projeto GNU foi iniciado cerca de 10 anos antes do primeiro kernel do Linux, e pelo menos 15 anos antes do termo open source ter sido cunhado. Quando o conceito do open source ganhou a imagem “business-friendly”, já havia um rico ecossistema de código GPL, para não mencionar uma cultura bem desenvolvida de compartilhamento.

Que agora exista uma tendência de novos projetos open source migrem para longe das licenças copyleft, do tipo GPL, para licenças “liberais”, do estilo Apache, não deveria ser uma surpresa. Em retrospecto, isso seria inevitável. Em um mundo definido por interesses empresariais e não pela filosofia, o compartilhamento forçado não faz sentido. Claro, alguém poderia argumentar que sim. Afinal, muitas empresas formaram ecossistemas rentáveis em torno de código sob GNU/GPL e Linux. Mas vamos supor que a maioria dos tipos de negócios não concordam com o compartilhamento forçado de cada bit.

No modelo open source do Apache, os desenvolvedores podem optar por liberar ou não suas modificações. Eles costumam fazer, simplesmente porque eles perceberam os benefícios de participar em ecossistemas open source, mas há muitos que às vezes não compartilham. Em um mundo open source, isso simplesmente não importa. Se o ponto de desenvolvimento open source é otimizar a sua cadeia de suprimentos e economias em escala, quem se preocupa com compartilhamento?

Vitória do Open Source
É importante lembrar que na “A Catedral e o Bazar”, Eric S Raymond especificamente chamou o modelo open source como superior, e que foi o início de uma grande divisão cultural: Open Source tem a ver sobre o desenvolvimento de um software melhor, já que “dado olhos suficientes, todos os bugs são banais”; E o software livre era sobre uma existência iluminada através do compartilhamento. O ponto de vista de que o open source era um modelo superior acabou sendo correto, já que o open source tornou-se o modelo preferido para a inovação tecnológica. Os processos de open source poderiam dar aos fornecedores uma vantagem competitiva, se usados adequadamente, e os princípios do open source poderiam permitir que os projetos funcionassem com mais eficiência.

Ironicamente, é esta impressionante vitória do open source – ou, pelo menos, a nossa interpretação – que apresenta uma ameaça real ao software livre. Quando esses termos são usados indistintamente, não há espaço para a nuance ou para a diferenciação. Assim, a vitória do open source se torna uma vitória do software livre, sem a menor questão de saber se isso realmente é o caso.

Mas o software livre realmente ganhou? Vamos considerar uma alternativa, que a vitória para o software livre parece muito diferente do open source. Se uma vitória do open source se assemelha a uma maior eficiência e a mais inovação em ecossistemas open source, como é a aparência de uma vitória do software livre?

Se o software livre “tivesse vencido”?
Se começarmos com a premissa de que o software livre é uma filosofia de compartilhamento e um código moral construído em torno disso, então o que significaria se a filosofia do software livre fosse tão bem-sucedida quanto os princípios do open source? Se eu sou correto que eles são diferentes, então certamente o sucesso desta filosofia e código moral se manifestaria de maneiras diferentes do que vemos agora.

Em um mundo no qual o software livre ganha, as arquiteturas de nuvens bloqueadas são dominantes? A maioria dos dispositivos portáteis seria proprietária e difícil de mudar? Seria difícil usar qualquer serviço em qualquer plataforma? Poderíamos facilmente entregar nossa privacidade às empresas de mídia? Por que, então, em um mundo em que o open source é hiper-bem-sucedido, todos os anteriores são verdadeiros? Se declararmos que o open source ganhou – e eu acredito que é seguro fazê-lo – como poderíamos possivelmente declarar que o software livre também ganhou? É aqui que a confusão de termos é ativamente tóxica. Ao usá-los de forma intercambiável, você está tirando o ar dos pulmões dos defensores do software livre em todos os lugares onde eles querem garantir o compartilhamento na nuvem, a liberdade na web, a igualdade de acesso à tecnologia e a privacidade aprimorada para todos.

Quando os defensores do software livre falam, muitos defensores do open source prefeririam que eles simplesmente se calassem e fossem embora. Eu estava numa conversa há alguns meses em que eu mencionei que precisávamos educar as pessoas sobre os princípios do open source. Erro meu. Veja o quê a confusão dessas duas coisas nos deu? Um executivo de tecnologia respondeu: “Nós realmente precisamos disso?” A impressão entre alguns defensores do open source é que, como o open source, o “mercado livre” cuidará disso, e não precisaremos nos preocupar com esse material filosófico. Assim, não há necessidade de pressionar os governos sobre padrões, privacidade e software livre, porque, caramba, a “mão invisível do mercado” estará nos guiando na direção certa. Com o sucesso do open source devido às tendências do mercado, até o mais leve movimento levaria a cultura tecnológica adiante. Ledo engano.

Além disso, não posso resistir a ressaltar que esse tipo de pensamento mágico é assustadoramente semelhante à teoria de Francis Fukuyama, em 1989, de “O Fim da História e o Último Homem” (nota literária, em português) (The End of History e The Last Man, edição em inglês) de que as sociedades e as nações do mundo estavam se movendo inexoravelmente para mais liberdade e mais democracia. E como, ao fim, isso funcionou para dois terços da população mundial?

O software livre é importante por si só
Nós corremos o risco de perder uma geração inteira para uma cultura de aluguel, não realmente possuir nada digital ou controlar os meios pelos quais podemos interagir com nossos meios de comunicação e dispositivos. Ao não adotar ideais de software livre, corremos o risco de minar o trabalho necessário feito pelos defensores do software livre. Os ideais de software livre requerem uma cultura de modificação e compartilhamento para manter nossos diretores de grandes empresas sob controle, algo que estamos perdendo rapidamente em plataformas modernas de nuvem, web e IoT. Se pudéssemos impor princípios de software livre, francamente, o mundo seria um lugar melhor. Eu não teria que usar uma plataforma específica apenas para que eu pudesse acessar serviços de tecnologia que eu paguei. Os alunos pobres de todo o mundo não enfrentariam mais obstáculos para oportunidades educacionais. As comunidades sub-representadas teriam mais poder para controlar seu próprio destino e criar comunidades de sucesso que poderiam alavancar suas iniciativas, como contraponto ao resto do mundo, que prefere instituir o status quo.

Devemos todos trabalhar para garantir que sejamos detentores das tecnologias em nossos dispositivos, detentores de nossas informações e que possamos defender nossa privacidade. Quem possui a informação que governa nossas vidas, possui os caminhos para nossos pensamentos e os mecanismos para futuros monopólios, algo que tem um impacto econômico real.

Bem, eu acho que eu não poderia ficar longe do argumento econômico. Afinal, ignorar a filosofia do software livre e seus ideais é arriscar a vinda de um futuro terrível, com limites impostos à liberdade de expressão, ao pensamento e, sim, ao comércio.


Autor: John Mark Walker – Diretor de Gerenciamento de Produtos na Dell EMC, além de ser responsável por gerenciar o desenvolvimento do produto conhecido como ViPR Controller, assim como também tem sido mantenedor da CoprHD open source community. Ele tem liderado diversas iniciativas open source, incluindo ManageIQ e Gluster, além de outras iniciativas.

Tradutor: David Jourdain – Membro fundador e moderador das listas em língua portuguesa da TDF. Formação na área de Computação. Por hobby, segue “mexendo” no Kernel Linux. Fluente em alemão, português, espanhol, inglês e retomou seus estudos em italiano. Foi professor universitário, ministrando disciplinas de Engenharia de Software, Engenharia de Sistemas, Construção de Sistemas Operacionais e Arquitetura de Sistemas Operacionais. Palestrante no Brasil, Chile, Argentina, Uruguai e Paraguai, ensinando sobre Kernel Linux e como organizar grupos de desenvolvedores e pesquisadores, com uso de software livre. Atualmente, também tem se envolvido em pesquisa aplicada para Video Broadcasting, com uso de ferramentas livres.

Liberte um GNU – Portador da Suíça para o Brasil

Se você é ligado em tecnologias livres certamente sabe que o notebook dos sonhos de um verdadeiro ativista do Software Livre é o ThinkPad X200. O fato dele permitir a substituição da BIOS pelo libreboot e ter assim o conjunto mais livre que se pode ter hoje no mercado é demais!

Um ativista brasileiro que vive na Suíça tem um e decidiu doá-lo a alguém que possa fazer bom uso dele.

Em reconhecimento ao trabalho militante de base que o Dauscaker vem fazendo no rio Grande do Sul, queremos que ele seja o mais novo dono de um lindo X200 100% livre!

Mas precisamos muito de um portador, ou seja, alguém em trânsito entre a Europa e o Brasil. Claro que o ideal seria um que fizesse o trecho Suíça -> Porto Alegre e que estivesse disposto a carregar consigo um segundo notebook.

Será que encontramos um GNUzinho para nos ajudar nessa empreitada?

Saudações Livres!

Desfiliação da ASL

Este é um pedido público de desfiliação da ASL – Associação do Software Livre. A relação formal durou pouco mais de um ano. A associação não atua como imaginei e definitivamente, sob essa gestão, não representa as minhas convicções sobre a filosofia do Software Livre.

A direção da ASL acredita firmemente que deve representar, também, os defensores dos preceitos da OSI – Open Source Initiative. Permite, portanto, embates absurdos nas suas listas de discussão, abre margem para interpretações dúbias sobre o que defende, o que confunde mais do que esclarece.

Apenas para esclarecer:

  • Pedi apoio direto para a campanha #FLISOLsemUbuntu. Foi negado.
  • Sugeri numa das listas do FISL que não se usasse Ubuntu nas maquinas do evento e fui defenestrado;
  • Sugeri à diretoria, para que não usassem Ubuntu nas maquinas do FISL e eles insistiram em usá-lo;
  • Seus diretores e funcionários apoiam abertamente a instalação de software não livre no FLISOL;
  • O uso irrestrito das redes sociais devassas em detrimento das livres é notório;

Na visão dos diretores da ASL e do seu quadro de funcionários Open Source e Software Livre são a mesma coisa, portanto devem abrir espaço para todos os pontos de vista, chegando ao ponto de admitirem em lista que estavam em negociações com a Microsoft para patrocinar o FISL 2016.

Pode parecer incrível, mas eu nunca tinha me filiado a ASL. O fiz no FISL de 2015 acreditando estar dando um passo importante na tentativa de reverter o cenário de extinção iminente da filosofia do Software Livre, mas o que encontrei foi mais um grupo de medianos ativistas, mais interessados em preservar as aparências e a boa conivência do que defender os interesses da comunidade Software Livre.

Torço para que a ASL perceba a importância que suas atitudes terão na sobrevivência da filosofia Software Livre, mude e possa voltar a ser protagonista. Hoje é apenas um grêmio OSista.